sábado, 1 de setembro de 2018

Caos no closet



No primeiro dia da estação mais quente do ano, os cabides, prateleiras e gavetas, subitamente começaram a se comportar de forma surreal, quebrando a monotonia do cômodo, outrora tão calmo e silencioso.

— Mas que chiffon é esse vindo lá do fundo? — quis saber uma blusa de poá vermelho e preto.

— Não sei de nada, poá. Cheguei faz poucos minutos — falou um roupão atoalhado, felpudo, macio, fofinho e com cheirinho de amaciante.

Curiosas, alinharam-se, esticando suas atenções na direção do tumulto. 

— Parece que os menos solicitados estão armando um tafetá sem caimento.

— Echarpe, não entendi nada do que disse. Como assim? O que eles querem?

— Dona Sthefany coloca no fundo do closet as peças menos usadas. E pelo ruído de rendas, veludos e paetês que chega até nós, estão por começar um motim.

— Na verdade, algumas peças estão fora de moda e sem uso faz tempo. Deviam ir para um brechó — disse devorê, entrando na conversa de modo agressivo.

— Você é um brocado metida, devorê! — reclamou musseline, fazendo um esforço com todas as fibras para não se rasgar de raiva. Não podia deixar sua leveza e transparência serem destruídas por tão pouco.

Irritadas, musseline e devorê se prepararam para o embate. Mas analisaram os estragos e em questão de segundos, recompuseram-se, e foram cada qual para seu cabide.

Porém, as reclamações continuaram.

— Faz dias que não chove. Estou cansada de ficar presa aqui — disse uma gabardine, bege de tédio.

— Você ainda tem chance de sair assim que chover. E eu que preciso esperar o inverno chegar — choramingou um casaco de pele sintética.

— Por falar em não sair pra rua... Há quanto tempo você não sai da gaveta, lurex?

— Ah, fica na sua, organza! Não tenho culpa se dona Sthefany não quer mais usar brilho metalizado. Mas já tive meus tempos de glória, viu? Ao passo que você...

— Com licencinha. Estão dando muito pano pra manga. Não sejam ásperas umas com as outras. Todas teremos nossa chance de brilhar — disse uma blusa de malha floral, querendo apaziguar os ânimos.

— Olha quem fala! Se achando "malha fina", quando na verdade não passa de uma simplória — provocou organza.

— É verdade. Sou comum e bastante popular. Mas vou a quase todos os lugares com dona Sthefany. Ontem mesmo fui ao shopping com ela.

Fez-se um silêncio angustiante. Retorceram-se por dentro de inveja. Ir ao shopping era o suprassumo dos sonhos de todos os ocupantes do closet.

Aproveitando-se do choque momentâneo, outra peça entra em ação: 

— Bom, não podem negar que eu sou a que mais passeia entre todas daqui. Já perdi a conta de quantas vezes fui ao shopping — disse uma calça jeans com pequenos rasgos, estilo destroyed. Faça chuva, faça sol. Inverno ou verão. Sou a mais versátil. Sou a queridinha da dona Sthefany. Aceitem que dói menos.

Novo silêncio se fez no closet.

Fios de ódio, inveja e tristeza, estampavam todas as texturas. 

— Quem dera eu fosse a preferida! — lamentou um vestido de linho. 

— Também, quem manda ser tão enrugada? — disse destroyed. 

— Que grossa! Não precisa ser tão antipática. Amassadas ou não, todas temos o nosso valor — falou uma blusa laranja modelo riponga, saltando da gaveta em defesa de linho.

— Tá falando como se fosse uma seda, mas não passa de uma viscose.

— Posso não ser um tecido nobre, nem o mais fashion, mas estou limpinha e bem passada. Ao contrário de umas e outras penduradas nos cabides da vida — revidou viscose, jogando a carapuça para quem quisesse vestir.

Ficaram elaborando uma resposta à altura, quando, de repente, Sthefany entra no closet. Tinha nas mãos uma roupa branca, vaporosa, esvoaçante, nunca vista naquele espaço.

Todas aguardaram ansiosas para saber qual seria a novidade. Esperaram.

E só entenderam do que se tratava quando a recém chegada foi exibida por inteiro num cabide e pendurada em destaque ao lado de um grande espelho.

— Um vestido de noiva?! Dona Sthefany vai casar? — falou destroyed, a primeira a se manifestar assim que a dona saiu. — Não!!! Meus dias de glória chegaram ao fim. Não tem como concorrer com um vestido de noiva. Ele vai reinar absoluto, mesmo que seja usado somente uma única vez — dramatizou, enquanto rasgava o jeans, mais e mais.

Ninguém tentou colocar panos quentes no desespero de destroyed. Ficaram olhando para o vestido de noiva (que mais parecia um vestido de princesa) e depois recolheram-se aos seus cabides, prateleiras e gavetas, deixando destroyed destruída no chão.





Clique nos títulos abaixo para ler 
outros contos no mesmo estilo:





9 comentários:

  1. sempre deliciosos os seus contos...uma leitura agradável onde nos identificamos com todos os itens do armário; somos nós neles e eles em nós!
    Um abraço

    ResponderExcluir
  2. Oi Rosa

    Adorei seu conto em "figuras de linguagem", ficou divino e a briga foi engraçada.
    Beijos
    Lua Singular

    ResponderExcluir
  3. Imaginação e muita sensibilidade na atenção posta nos "actos e ditos".
    Um Conto que dá que contar.
    Parabéns, Amiga.


    Beijo
    SOL

    ResponderExcluir
  4. Oi, Rosa!! Mas que delícia de texto, amiga, quanta criatividade essa conversinha entre as "madames" do armário! E como se 'pinicaram' essas fofoqueiras...
    Adorei!! Você sempre em grande estilo.
    Beijo!

    ResponderExcluir
  5. Será mais ou menos assim dentro de pouco tempo lá em casa.
    Beijo

    ResponderExcluir
  6. Interessante essa personificação das peças de roupa. Quanta criatividade!
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  7. Sempre suava... sempre agradável... sempre conduzindo pela mão, até o ponto final. Como é gostoso de ler..!

    ResponderExcluir
  8. Olá, Rosa, para uma contista de talento, como és, não é necessário grandes espaços para que nele crie personagens importantes desse belo e criativo conto, pois nada mais seria preciso do que um roupeiro, cheio de roupas intrigantes, ciumentas umas, invejosas outras, e outras bondosas. Um conto singular que muito me agradou.
    Parabéns, minha amiga.
    Abraços e um bom domingo.
    Pedro

    ResponderExcluir
  9. Olá Rosa, td bem?

    Eu queria te agradecer pelo comentário no meu blog e dizer que voltarei com mais calma para ler o seu conto!

    Te desejo uma ótima semana!
    Bjs

    ResponderExcluir