quarta-feira, 28 de setembro de 2016

E, do nada, partiu


Soraia ficou atônita. Após trinta anos casada com Osvaldo, provava agora o gosto amargo da traição. Acuado, o marido contou tudo, pois foi flagrado no ato, com a boca na botija.

Para Soraia, a visão da traição foi pavorosa, caindo nos olhos como um raio, arranhando a confiança, rasgando o compromisso firmado, violando o pacto sagrado consagrado no altar, torrando a aliança, tirando todo o brilho da união tida por todos como uma união sólida. Jamais imaginaria um final assim para os dois, pois viviam numa harmonia cotidiana.

"Sim, nosso caso dura há dois anos, mas não significa nada pra mim", justificara Osvaldo, banalizando o ato, rindo, diminuindo a moça ao pó, só piorando ainda mais as coisas. 

Soraia não quis ouvir mais nada. Não importava os motivos. Tanto fazia falar agora qual tinha sido o culpado, o pivô do ocorrido ou a raiz da traição. Não havia como colar os cacos da confiança partida. Fim! Acabou!

Ficou indignada, furiosa, irritada, magoada, machucada, mas não havia como passar por cima daquilo. O amor compartilhado por tantos anos fora jogado fora. Todas as palavras carinhosas, românticas, apaixonadas, ditas ao longo dos últimos anos, ficavam agora bailando no ar, soltas no vazio, ao sabor da ilusão. A visão da traição jamais a abandonaria. Não tinha como continuar a vida com Osvaldo. Os filhos, os amigos, os vizinhos, a família toda... iriam culpá-la por colocá-lo para fora, assim, só com a roupa do corpo, mas assumiria o risco. Trinta anos juntos! Trinta anos arruinados.    

Parada na porta do quarto, com as mãos na cintura, Soraia assistia Osvaldo jogar todas as roupas na mala.

Todos os dias com olhos mansos, tranquilos, agora mirava Osvaldo com uma fúria irracional. As garras afiadas prontas para atacar. Prontas para mostrar toda a raiva acumulada. Com muito custo, controlou a ira. Não gritou. Tampouco chorou. Só iria chorar após Osvaldo sair da casa. Tinha sido traída, mas tinha amor-próprio sobrando para lidar com a partida do marido com as mãos limpas.

Osvaldo faria falta. Soraia sabia disso. Acostumara com o calor do corpo do marido, das suas mãos ousadas tomadas por calos, raspando nas suas como lixas, dos suspiros, dos roncos, das cafungadas no ouvido, das suas manias chatas, da gargalhada comprida, do som dos passos circulando nos cômodos, da barba arranhando sua nuca, dos abraços longos quando tava muito frio, dos banhos juntos, da mão máscula pousada com força na sua cintura... Ah! O lado da cama vazio a faria custar para dormir. 

Ia chorar por não colocar mais as roupas do marido no varal, não costurar mais o botão da sua camisa, não cozinhar mais a ambrosia do modo como Osvaldo gostava, não tomar chimarrão junto todas as manhãs, da algazarra da família unida no almoço aos domingos, das crianças disputando o colo do avô... Osvaldo assava um churrasco como poucos. Os filhos não faziam um churrasco tão bom. Sim. Osvaldo faria falta. Foram tantos anos juntos. Soraia gostava da vida a dois. Como faria agora? Dava um frio na barriga imaginar uma rotina diária com a falta do marido. Afinal, agradar Osvaldo ocupara muito das suas horas diárias. Ficar sozinha após trinta anos casada, assustava um pouco. Sobraria horas vazias como nunca sobrara. A partida do marido a fazia chorar agora, mas tinha um lado bom visto por outro ângulo. Como tudo na vida.

Lá fora chovia muito. Ruas alagadas. Casas inundadas. Trânsito caótico. Uma loucura!

Para Soraia, o dia da partida ficaria marcado como o dia do dilúvio. Um dilúvio nas ruas. Um dilúvio na sua casa. Um dilúvio na sua família. Um dilúvio na sua vida organizada. Um dilúvio na sua confiança, agora asfixiada, morta, afogada por Osvaldo. 

Assim como a chuva lava o lixo das ruas, Soraia lavaria a dor do impacto sofrido. 

Lá no fundo ainda amava o marido. 

Mas amava mais ainda a si própria. 

|
|
|
|
|
|
|
|
|
Notaram?

O "e" partiu, do nada, junto com Osvaldo.

=======================================   
Fiz outra prosa, ocultando o "a". Confiram AQUI.
=========================================   


19 comentários:

  1. Genial!!Tu és demais! bjs, chica

    ResponderExcluir
  2. Oi, Rosa...nada é insubstituível!...pode-se fazer uma história sem uma pessoa ou uma letra. Você provou magistralmente.
    Um abraço

    ResponderExcluir
  3. Uau!
    Quando cheguei no final tive que voltar para ler de novo e ver se encontrava pelo menos um "ezinho" para dizer: "Rosa encontrei um". Mas não encontrei. Adorei a história de Soraia e Osvaldo. Vontade de matar o Osvaldo.
    Abrçs

    ✿Blog: Autora Marcia Pimentel✿ ✿Instagram✿ ✿Twitter✿

    ResponderExcluir
  4. Lindo, brilhante...
    Também preciso deixar meu "e"...

    Abraços =)

    ResponderExcluir
  5. Nossa!!! Também reli tudo para descobrir um 'E' e voltar pra anarquizar...rssssss
    Genial, jamais tive uma ideia assim!
    Beijo!

    ResponderExcluir
  6. É, Realmente notei a ausência do "e". Acredito ser necessária muita atenção e muita habilidade no emprego das palavras, para a criação de um belo conto como esse. Parabéns Rosa.

    Abraços,

    Furtado

    ResponderExcluir
  7. Precioso trabalho, composto e narrado com Mestria.
    Parabéns, Amiga.


    Beijo
    SOL

    ResponderExcluir
  8. Muito interessante, Rosa. Parabens!

    E q "homi" hein. Ui rs
    É aquele ditado: "Melhor só do que mal acompanhado"

    Grata pela sua visita naquelas Asas...
    Beijinhos.

    ResponderExcluir
    Respostas

    1. Bom dia, Rosa.
      Estava logada no perfil do outro blog. Desculpe...
      O blog que você visitou foi este: http://asasdosversosmeus.blogspot.com.br
      Obrigada!

      Excluir
  9. Rosa, vc sempre genial! Lindo seu conto e muito verdadeiro tb! bjs,

    ResponderExcluir
  10. Mais um texto espectacular... de leitura imparável... que nos prende a atenção logo na primeira linha... e a falta da letra E... é mesmo o toque de génio!
    Um trabalho notável! Muitos parabéns, Rosa!
    Beijinho! Boa semana!
    Ana

    ResponderExcluir
  11. Traição com 2 anos de duração não é um mero acidente...
    Um belo conto, minha amiga.
    Rosa, tem uma boa semana.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  12. Rosa,
    O amor é o sentimento mais lindo do mundo mas o mais débil também.
    A traição é um dolo irrecuperável.
    Felicito-a pelo seu lindo texto.

    ResponderExcluir
  13. Oi Rosa! Passando para te cumprimentar e desejar muita paz e muita saúde para ti e para os teus.

    Abraços,

    Furtado.

    ResponderExcluir
  14. Pois é, Rosa, os anos juntos, 30 anos, não se esquecem facilmente.
    Mas a vida não foi feita só para casais eternos. Sempre será encontrada
    uma saída para ambos. Mas que é difícil, não há dúvida que é.
    Um conto realista, do qual gostei muito.
    Abraço.
    Pedro.

    ResponderExcluir
  15. Se a chuva tudo lava... Lavou dois anos e muito mais. Até levou o "e"!
    Não sei existe alguma técnica para se chegar ao fim, assim. Dicionário ao lado? Muita paciência será necessária com certeza para levar a cabo a empresa.
    Parabéns.

    ResponderExcluir